Três dicas do Melhor Sommelier do Brasil para quem está começando a beber vinho

Convidamos ninguém menos do que Diego Arrebola, o Melhor Sommelier do Brasil, para responder a dúvidas comuns de quem está começando a beber vinho. Confira!

Dica #1: Qual é a melhor maneira de armazenar vinhos em casa sem ter uma adega?

Recomendo procurar um lugar em que o vinho não será mexido. Que seja escuro, que preferencialmente bata pouco sol. Claro que dentro da casa não vai bater sol, mas é bom procurar um cômodo que não bata sol direto. Eu tenho uma adega pequena em casa e tenho muito vinho fora da adega. Eu guardo no maleiro do guarda-roupa do meu filho, porque o quarto dele está numa posição que não vai bater sol. E é todo em concreto, então está bem protegido. Tomar esse cuidado. Um lugar mais fresco e escurinho que você precisa encontrar, e que ninguém vá ficar mexendo ali. Mas para guardar vinho por mais tempo, ter a adega é fundamental. Para guardar o vinho fora da adega… Mais importante do que a temperatura baixa é a constância da temperatura. É menos prejudicial para o vinho armazená-lo a 18°C do que num lugar que fica oscilando entre 10°C e 16°C. Se tiver 18°C, que é uma temperatura alta para uma adega, é menos pior do que estar 10°C de manhã e 16°C a tarde. Essa oscilação é danosa. Mas se for armazená-lo por muito tempo, precisa ter uma temperatura mais baixa para garantir que a evolução vai ser mais compassada. Só colocar o vinho lá e esquecer… Precisa ter os cuidados de manutenção básicos da adega, garantir que ela está funcionando. Até porque …“Shit happens”!

Dica #2: É possível guardar vinho quando sobra na garrafa? Se sim, como guardar e por quanto tempo?

A técnica básica é rolha e geladeira. Põe a rolha de novo, põe na geladeira. Quanto tempo? Isso é uma incógnita… O ideal é o mais rápido possível. Eu já guardei sobra de vinho branco que fui tomar quatro dias depois e estava legal. E também guardei vinho tinto encorpado que fui tomar dois dias depois e já estava decaindo. Ah, tem um detalhe: a porta oscila mais, o ideal é que não seja na porta. Quando alguma importadora me pede para testar vinho, para dar opinião, eu normalmente faço isso: degusto a primeira vez, depois eu guardo na geladeira e fico degustando todos os dias. Porque o vinho montado na bodega, e não no vinhedo, dá uns dois ou três dias e ele já começa a desmontar. Aquela acidez vai para um lado, a adstringência vai pro outro. Ficam meio desconjuntados. E os vinhos bem feitinhos costumam aguentar mais tempo.  A oxidação depende de contaminação por acetobacter, né? Então tem bactérias acéticas voando aqui no ar. Para esse vinho, que a gente abriu agora, ele tem que ser contaminado com acetobacter. Você tem o fator sorte. A gente pode abrir esse vinho, colocar a rolha e, nenhum acetobacter entrou no gargalo, esse vinho vai durar mais tempo.

Dica #3: Depois que o vinho estragou, o que dá para fazer com ele? É possível usar para cozinhar?

Vinagre. Se você vai fazer um molho que o vinho vai entrar em uma quantidade muito pequena, e aquele molho vai ser de longo cozimento, o sabor do vinho vai acabar desaparecendo. Mas em teoria: se você não bebe, você não come. Pelo mesmo motivo que você não deve comprar vinho de garrafão para cozinhar, porque você vai concentrar ele e tudo que ele tem de ruim vai ficar mais evidente, você não deve usar um vinho estragado para fazer comida. Você pode até usar um que perdeu a fruta, que não está mais exuberante, mas não um que esteja estragado. Aí você pode usar. Mas um vinho que está efetivamente estragado, oxidado ou bouchonée, você vai estragar a comida. Quando o vinho está oxidado, vai se formar uma camada de acetobacter em cima do vinho, essa camada é a madre do vinagre. É que nem um “levain”. Você vai alimentando, colocando mais vinho, e aquela madre vai transformando vinho em vinagre.

Diego Arrebola é bicampeão do concurso de Melhor Sommelier do Brasil pela Associação Brasileira de Sommeliers (ABS) – conquistou o primeiro título em 2012 e o segundo em 2016. Depois de passar por restaurantes como Olivetto e Pobre Juan, conquistou prêmios e recebeu títulos importantes no mundo do vinho, isso sem falar em todos os honrosos reconhecimentos pelas cartas de vinho que assinou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s